Ídolos de Bolsonaro em apuros

O presidente Jair Bolsonaro tem agendadas duas viagens internacionais, não por acaso para países governados no momento por seus dois maiores ídolos, o americano Donald Trump e o israelense Binyamin Netanyahu.

Ótimo. O Brasil deve manter de fato boas relações com ambos, como, de resto, o tem feito nos últimos muitíssimos anos.

O problema é que Bolsonaro chegará a Washington e Jerusalém em um mau momento —talvez péssimo— para seus ídolos.